Skip to main content

Ilha de Santiago

Quando decidi que Cabo Verde seria o destino das férias, não me quis ficar apenas por uma ilha. Além da ilha do Sal, achei que era uma mais valia visitar Santiago, a maior e a ilha mais africana de todas onde está a capital administrativa do arquipélago.

Nos seus 75km por 35km, Santiago esconde uma paisagem mais verde, com montanhas escarpadas e vales verdejantes com fragmentos de história que nos transportam aos anos do colonialismo.

Aterrámos cedo no Aeroporto Nelson Mandela, aí já nos esperava o transfer para a cidade da Praia, a capital da ilha, para o Hotel Oasis Praiamar. A estrada que hoje faz a ligação da cidade ao aeroporto já foi, em tempos, a própria pista do aeroporto, hoje em dia aumentado.

Na cidade da Praia, uma cidade muito movimentada com o típico trânsito africano, há alguns pontos de interesse como a Cidade Velha, onde não chegámos a ir. A Cidade Velha foi o lugar onde os portugueses chegaram quando descobriram Cabo Verde e que é hoje Património Mundial. O mercado de Sucupira fica na Avenida Cidade de Lisboa e é de visita obrigatória para quem gosta de regatear.

Na cidade da Praia na praça Alexandre Albuquerque existem ainda muitas casas com aspecto colonial que comprovam a existência dos colonos portugueses em tempos que já lá vão.

img_4843

img_4847

img_4848

Ilhéu de Santa Maria, casa em ruínas para onde mandavam os leprosos

Na cidade da Praia pode-se dar um mergulho na Praia de Quebra Canela, Prainha, Mulher Branca ou Gamboa.

img_4849

A volta à ilha era inevitável, nós e um casal angolano passámos um dia numa carrinha com um guia que já tinha estado muitas vezes em Portugal e que nos mostrou tudo o que conseguiu nesta ilha.

O ponto mais alto da ilha de Santiago é o Pico da Antónia e tem1394 metros de altura. Relativamente à vegetação existe em grande quantidade a acácia americana que dá vagens para os animais e madeira para lenha. Cultiva-se bastante milho e feijão, como foi um ano de muita chuva (a chuva vem entre Julho e Outubro), o milho está bom.

As estradas no interior da ilha não são muito movimentadas mas algumas estão em mau estado, há muitas curvas e subidas e descidas, pelo que é preciso cuidado a conduzir pela ilha.

img_4854

Estátua de Amilcar Cabral

img_4863

img_4866

img_4871

img_4874

img_4876

img_4878

img_4879

img_4886

img_4887

img_4889

No sopé da elevação mais alta de Santiago, o Pico da Antónia, fica o Jardim Botânico, o único do arquipélago, onde existem muitas calabaceiras que dão um fruto que faz um bom sumo para o colestrol.

img_4890

img_4891

img_4892

img_4895

img_4896

img_4898

img_4901

img_4902

img_4905

img_4906

img_4907

img_4909

img_4910

Visitámos a cidade da Assomada,onde tivémos oportunidade de ir ao mercado municipal, um mercado de legumes e frutas.

img_4914

img_4915

img_4925

img_4929

img_4931

img_4932

img_4933

Chegámos ao Tarrafal a tempo de mergulhar nas águas daquela praia que ainda é um segredo bem guardado dos turistas.

img_4936

img_4937

img_4945

img_4946

img_4951

img_4953

img_4956

img_4967

img_4968

A cachupa, prato típico feito com milho, feijão, legumes e carnes, fez as delícias do nosso almoço, num pequeno restaurante com vista para a praia.

img_4970

Depois de almoço foi tempo de visitar o antigo Campo de Concentração do Tarrafal, o “Campo da Morte Lenta”, e de nos envergonharmos da nossa história e do que ali fizémos.

O Campo de Concentração do Tarrafal situado em Chão Bom foi criada pelo Governo português no Estado Novo com o intuito de enviar para lá os presos políticos. Em 1936 seguiam para o Campo os primeiros presos políticos que incluiam alguns dos participantes do 18 de Janeiro de 1936 na Marinha Grande e marinheiros da Revolta dos Marinheiros ocorrida a 8 de Setembro de 1936.

Em 1954 o Campo foi encerrado mas voltou a reabrir em 1961 para receber prisioneiros das colónias portuguesas. Entre outras torturas destacavam-se a Frigideira ou a Tortura do Sono e da Fome. Trinta e dois portugueses, dois angolanos, dois guineenses perderam ali a vida. Outros morreram já depois da sua libertação em consequência do que ali passaram.

Hoje em dia está convertido num museu para que nunca nos esqueçamos das atrocidades que ali se cometeram e de quem ali sofreu na pele o regime fascista.

img_4976

img_4977

img_4978

img_4979

img_4981

img_4982

img_4983

img_4984

img_4985

img_4986

img_4990

img_4991

img_4999

img_5002

Esmeraldo da Silva Prates, mais conhecido por Tralheira, foi o médico que chegou ao Tarrafal, segundo ele próprio, não para curar mas sim para assinar certidões de óbito.

img_5003

img_5004

img_5007

img_5008

img_5010

img_5014

img_5015

img_5016

img_5017

img_5020

img_5022

img_5029

img_5030

No caminho de regresso à cidade da Praia passámos por enseadas bonitas, aldeias perdiidas e vimos muitas pessoas a ver o tempo passar sentadas às portas das casas, casas sem janelas, com aspecto inacabado.

img_5033

img_5034

img_5037

img_5038

img_5043

img_5044

img_5052

img_5053

img_5056

img_5058

img_5060

img_5067

img_5069

img_5070

img_5074

img_5075

img_5077

img_5078

Na cidade da Praia há uma grande cruz, a cruz onde o Papa João Paulo II celebrou a missa quando veio a Cabo Verde.

img_5079

img_5084

img_5086

 Hotel Oasis Praiamar

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *